Concursos Abertos

Concurso de Gravatá -PE: Candidatos definem advogado que irá tentar destravar o certame

Entre o embate envolvendo a prefeitura de Gravatá e a banca ADM&TEC estão milhares de candidatos que na prática são os verdadeiros lesados. Com efeito, por um lado a gestão atual questiona a legalidade do concurso, a ADM&TEC, por outro, apresenta fundamentos amparados em decisões judiciais. Entre socos e pontapés e às margens da situação, os concurseiros que prestaram concurso em Gravatá começam a dar as primeiras passadas para que o imbróglio tenha uma desfecho com brevidade.

De fato,  o concurso de Gravatá apresenta um emaranhado de questões jurídicas e que a primeira vista o colocam como caso de elevada complexidade. Mas vamos por partes:

  1. No dia 03 de dezembro de 2020 foi dado o primeiro golpe. O responsável foi o MP, que questionou as medidas sanitárias que seriam adotadas diante da pandemia do COVID-19. A vedação a realização do concurso por colidir com a lei 173/20 também foi citada. Era uma quinta-feira. Com provas marcadas para serem aplicadas nos dias 05 e 12 de dezembro o exame foi temporariamente suspenso. Imediatamente a banca revidou. Entrou com um recurso no TJ-PE, que foi deferido. Recurso esse apreciado pelo desembargador Honório Gomes. Era uma sexta-feira, dia 04/12, fim de tarde. Com o prazo tão apertado, mas com a decisão a seu favor, a banca decidiu pela não aplicação das provas. Nos dias 12 e 19/12 essas foram então aplicadas. Neste primeiro embate centenas de candidatos foi prejudicados por esse tumulto inicial. Alguns chegaram a ir para provas, no dia 05, mesmo sem a confirmação. Foi viagem perdida. Outros não conseguiram reagendar os hotéis. Há ainda aqueles que perderam voo, que iriam vir de outros estados, mas que com a mudança de data tiveram seu planejamento quebrado.
  2. Doravante, mais recentemente, golpe incisivo foi dado pelo popular Jhon Lenom, que apresentou decisão do tribunal de contas suspendendo o concurso. O argumento usado foi a lei 173/20. Fala-se em inobservância a lei complementar. O juiz de primeiro grau acatou e suspendeu o concurso. A suspensão ocorre até que o certame seja auditado. Após esse ato, mesmo com recurso impetrado, a banca não conseguiu reverter. O concurso se mantém suspenso aguardando auditoria. Entre as partes, e sem ter nada a ver com a confusão, milhares de candidatos aguardam e se sentem frustrados perante a situação.

É verdade que existem mais pontos judiciais envolvidos. No entanto, o argumento atual que sustenta a suspensão perde fundamento diante do Acordão TC nº 1201/18 que determinou a necessidade de pessoal  para posterior realização de certame, porque o último havia ocorrido em 2008. A propósito: o concurso acontece tarde, pois o prazo dado foi de 180 dias, mas devido a pandemia não pôde ser respeitado. Outro dado que enfraquece o argumento da suspensão foi dado pelo ex-prefeito Joaquim Neto: A lei municipal nº 3.797 de 20.05.2019 foi a que estabeleceu a criação dos cargos. O ato de criação ocorreu no sentido de preencher demanda corrente do município. No momento da criação da lei a despesa com o pessoal correspondia a 49,24% da receita corrente líquida, ficando abaixo do limite prudencial de 51,30%. Não existe colisão, portanto, com  lei de responsabilidade fiscal (fonte: diário oficial do TCE, pág 05, data 07/01/20). Apesar desses dados que contra-argumentam o que embasa a suspensão, estranhamente o concurso se mantém suspenso. Há quem suspeite de fatores subjetivos como justificativa para essa manutenção.

Após tanto apanhar, os candidatos que prestaram o concurso decidiram reagir. Recentemente algumas ações foram tomadas de modo organizado: 1) foi nomeada uma comissão de candidatos para representar o grupo; 2) atividades e visitadas aos órgãos de poder estão sendo implantadas, de modo é avançar com a pauta. Ex: audiência na Alepe, visita e oitiva com o MP local, articulação e pedido de apoio aos vereadores locais; 3) definição de advogado para representar o grupo e entrar com recurso.

Após analisar o know-how e ouvir propostas, foi definido o advogado Flávio Britto para preparar recurso e defender o interesse do grupo. A ação coletiva já conta com mais de 100 candidatos que participaram do concurso. Vaquinha está sendo feita para levantar recursos para pagamento dos honorários advocatícios. O ação está fase avançada. Neste momento está sendo feito os depósitos e envio de documentação. O recurso deverá ser apresentado ao TJ nas próximas semanas.

As ações estão sendo debatidas e compartilhadas no grupo do telegram, cujo link está a seguir: https://t.me/joinchat/Dz2ZGahTkruhrw8V

Mais informações a qualquer momento.

 

 

 

 

 

 

Posts relacionados
Concursos Abertos

Câmara de Palmares/PE Abre Concurso Público com Vagas para Vigia

A Câmara Municipal de Palmares, localizada no estado de Pernambuco, anunciou a abertura de…
Leia mais
Concursos Abertos

Inscrições abertas: Mais de 20 vagas ofertadas para Concursos de Câmaras Municipais em Pernambuco

No Estado de Pernambuco, dois concursos públicos de Câmaras Municipais estão com prazo de…
Leia mais
Concursos Abertos

Prefeitura de Belo Jardim Publica 2º Aditivo ao Edital 001/2024 para Concurso Público

A Prefeitura Municipal de Belo Jardim, representada pelo prefeito Gilvandro Estrela de Oliveira…
Leia mais
Newsletter
Seja um Concurseiro

Inscreva-se na nossa newsletter e obtenha o melhor conteúdo sobre concursos de Pernambuco, feito sob medida para você.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Precisa de ajuda?